O final de 2021 certamente foi mais esperançoso que o sombrio ano anterior, até porque o sucesso da vacinação em massa no Brasil cercou nossos corações de expectativas e massageou os espíritos dos que acreditam sempre no melhor.

Com a edição do Almanaque Carioquice 2022, que você tem agora às mãos, os sopros de estímulos positivos vieram à baila e reaparecem como luzezinhas que pareciam dormitar em escuridão.

Nosso Instituto Cultural Cravo Albin (ICCA) tem a declarar, de imediato, que empreendeu quase todo o 2021 em trabalhos ingentes de catalogação e envio de farto acervo para cumprir a parceria com o empresário e empreendedor Renato Abreu (Grupo MPE), cuja ação corajosa (através da sobrinha Fernanda Reno Maia) já esboça no norte fluminense, município de São Fidélis, um novo e reluzente centro cultural. O que incide sobre a recuperação e adaptação da Fazenda Pureza (século XIX) para um superequipamento museológico, a primeira ventura de sedimentação cultural no anteriormente pujante norte fluminense.

O seguinte sopro de entusiasmo em 2021 adveio pelo lançamento do meu livro “Pandemia e Pandemônio”, que mereceu recomendações dos cientistas-médicos Margareth Dalcolmo e Jerson Lima (presidente da Faperj), além da célebre escritora Nélida Piñon. Livro de crônicas, único a promover um balanço da tragicidade em 2020, com o avassalador número de óbitos e de falhas na gestão entre órgãos públicos.

Finalmente, o ano se encerrou sendo iluminado por uma terceira ação cultural que encantou nosso universo sonolento provocado pela pandemia. Uma ideia, mais uma, do poderoso motorzinho de feitos pela e para a cultura, Carlos Alberto Serpa, presidente da Cesgranrio, cuja ação o faz incorporar no mais ágil e criativo promotor de realizações para o que eu costumo chamar de “cascata de ações a animar o Rio de Janeiro”. Dessa vez, Serpa fechou o ano dando posse aos 50 componentes da inédita Academia Brasileira de Cultura (ABC), um abecedário da diversidade dos fazimentos do pensamento humano: do teatro à literatura, da moda ao acervo público, da arquitetura à televisão, dos atores aos escultores e pintores.

Tanto a proclamação da diversidade no palco acadêmico foi significativa nesse balancete cultural que o recém-eleito presidente da Academia Brasileira de Letras (ABL), o cientista político e escritor Merval Pereira, anunciou sua futura posse na Casa de Machado de Assis elogiando o esboço da pluralidade já implantada com as eleições da atriz Fernanda Montenegro, do compositor Gilberto Gil, do médico Paulo Niemeyer Filho e do especialista em Fernando Pessoa, José Paulo Cavalcante Filho.

Em resumo, queridos carioqueiros, este ano que se inaugura foi muito bem esboçado nos meses finais do ano velho.

 

Ricardo Cravo Albin

Presidente do Instituto Cultural Cravo Albin